Cabeceiras de Basto adquiriu produtos e equipamentos para combater a vespa velutina

A Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto procedeu à aquisição de novos produtos e
equipamentos para combater a vespa velutina. Foi adquirida uma vara extensível de 27
metros com sistema impulsor de produto contaminante (Gladiwasp) e equipamento de
proteção individual, renovando-se, desta forma, o equipamento que vinha sendo utilizado em anos anteriores.

 
Imagem de Arquivo


Aos operacionais do Serviço de Proteção Civil Municipal foi dada formação para a
implementação desta técnica metodológica de eliminação dos ninhos e das medidas de
segurança a observar neste tipo de operação.
De salientar que a nova metodologia de destruição, por aplicação direta de biocida de
ação prolongada nos ninhos embrionários ou definitivos, permitirá conferir maior eficácia no combate à vespa velutina nos períodos de tempo seco e quente, geralmente associado ao período crítico de incêndios rurais, não sendo, por isso, necessário recorrer à incineração dos ninhos.

 
 


A vespa velutina nigrithorax é considerada uma espécie invasora em quase todos os
países da Europa e em Portugal desde julho de 2016, nociva na apicultura pois trata-se de
uma espécie predadora das abelhas. Originária do Sudoeste Asiático passou a ser
conhecida e muitas vezes designada, na Europa e em Portugal, por Vespa Asiática.
A vespa velutina nigrithorax diferencia-se dos outros vespídeos autóctones da Europa
mais conhecidos, como a vespa germânica ou vespa comum, e a Vespa crabro, pela sua
muito elevada capacidade reprodutiva, dimensão e visibilidade dos seus ninhos (ou
vespeiros) e pela rapidez com que ocupa o território.

Comentários

comentários

 
 

Você pode gostar...