“Sim, até há bem pouco tempo esta esquerda mandava em Portugal. A tal que não tem pejo de afirmar que a culpa de Guerra é da Ucrânia e dos Estados Unidos”

Guerra…

 

Assistimos todos hoje com alguma incredulidade à guerra que nos entra pelas portas dentro, provocada por um lunático que provém de um sistema político que cria sucessivos ditadores e máquinas de morte.

 
 
KYIV, UKRAINE – Feb. 25, 2022: Guerra da Rússia contra a Ucrânia. Estação de metro serve de abrigo para milhares de pessoas durante ataques com roquetes e bombas

Vladimir Putin vem do regime comunista, de um regime de esquerda, de um regime que mata e matou gente sem fim, apenas e só porque o povo existe para sustentar um estado a qualquer custo e um poder supremo do estado sobre aqueles desgraçados que se têm de sacrificar para servir a visão de uns quantos malucos.

Sim, o corpo de Lenine está lá, embalsamado, para todos venerarem… o líder comunista que executou cerca de 200.000 pessoas e que matou cerca de 2 milhões e duzentas mil pessoas de outras formas, nomeadamente à fome. Ele ali está. Para ser venerado como a fonte de toda a virtude do Universo.

 
 

E lembremos. Já em 1918 Lenine tentou impor um governo soviético ao povo da Ucrânia, que havia declarado a sua independência tempos antes. E tentou impor pela força, pela guerra, pela fome. De início, o objetivo de Lenine havia sido aparentemente alcançado. Esse governo soviético imposto à Ucrânia tentou de imediato suprimir as instituições educacionais e sociais ucranianas. Mas não conseguindo os seus intentos, por causa da resistência Ucraniana, ordenou que o seu exército roubasse e retirasse todos o tipo de alimentos e destruído culturas aos Ucranianos de forma a que estes morressem de fome.

Já na altura o povo Ucraniano ripostou. E não se vergaram ao ditador e morreram…
Morreram aos milhares…

 

Mas o sistema lá continua a sua caminhada. Lenine lá está na praça. E Putin também quer lá ficar. Curiosamente ou coincidentemente, ambos têm o mesmo primeiro nome: Vladimir…

Porque afinal, os tais regimes de esquerda que são tolerados no nosso País. São tão tolerados que até são parte de um Governo. São tão tolerados que até chegaram a ter 20% dos votos em Portugal.

 

Não, o comunismo nunca foi bom para as sociedades. Não, a ideologia marxista-leninista nunca foi boa para nenhuma sociedade. Não, a ideologia trotskista nunca foi boa para nenhuma sociedade. Efetivamente só em Países onde se distribui miséria estas teorias ainda proliferam, com o total patrocínio de uma comunicação social que teima em destruir uma direita alicerçada em mitos de fascismo que os tempos trataram de enterrar.
Trump, Bolsonaro, sempre foram tratados como verdadeiros criminosos pela nossa sociedade e pela nossa comunicação social.

Vladimir Putin vive há vinte anos no poder sem que ninguém lhe aponte o dedo pelos atentados à liberdade dos outros e até dos seus. Quem visita a Rússia aí o percebe, aí o entende. Era um líder perfeitamente compreendido pela sociedade portuguesa.

Tanto era, que os seus acólitos em Portugal, ainda até há bem pouco tempo eram considerados pela maioria dos portugueses como “parte da solução”, “pessoas confiáveis”, com princípios de base parecidos com os do partido socialista.

KYIV, UKRAINE – Feb. 25, 2022:
Guerra da Rússia contra a Ucrânia. Um edifício residencial danificado por um avião inimigo na capital ucraniana Kiev

Sim, até há bem pouco tempo esta esquerda mandava em Portugal. A tal que não tem pejo de afirmar que a culpa de Guerra é da Ucrânia e dos Estados Unidos. A tal que não tem sequer vergonha em votar contra na condenação da invasão da Ucrânia pela Rússia.
Estes partidos ainda detêm deputados no nosso parlamento.

 

Estes partidos são recebidos por Costa, para falar sobre o novo Governo.

Efetivamente o Chega é que é o único patinho feio, quando não passa de um mero partido populista que manda umas bocas bem dadas, mas sem qualquer substância.

Esta é que é a verdade dos factos.

Os factos que contrariam as parangonas que nos dizem que na Europa, onde há direita, são todos xenófobos e racistas e que nets altura já albergam mais de 3.000.000 milhões de refugiados como o fazem a Polónia e a Hungria.

Pois é… na verdade, ao contrário das retóricas, as realidades são diferentes.

Já na queda do muro de Berlim, a multidão correu para o lado de cá e não para o lado de lá…

Agora, os Ucranianos não querem ir para a Rússia…

Efetivamente só em Portugal ainda há muito quem marche para o lado das ditaduras e assassinos… com a total cobertura de muitos e muito…
A guerra está aí. É feroz para nós apenas nos números…

Violenta demais para gente que nada mais não fez do que ser livre e querer seguir o seu caminho, respirando por si, sem medo…

As minhas preces vão para aqueles homens, mulheres e principalmente para as crianças que têm de sofrer na pele, mais uma vez, o cinismo de um movimento de morte… não só para os Ucranianos, mas também para muitos Russos que são manipulados, sem saberem como nem porquê…
Até quando?

Rui Barreira – Advogado na CLT

Comentários

comentários

Você pode gostar...