Vila Verde a trilhar caminho de progresso “com as pessoas no centro das atenções”

Sessão comemorativa do 167º aniversário da fundação do Concelho salienta a mais-valia das raízes na construção do futuro 

 

Enquanto “povo que sabe honrar e valorizar o seu legado na construção de um futuro cada vez melhor para todos os Vilaverdenses”, o Município assinalou esta segunda-feira, 24 de outubro, o 167º aniversário da fundação do Concelho de Vila Verde. 

 
 

Numa cerimónia que encheu o salão nobre dos Paços do Concelho, a presidente da Câmara Municipal, Júlia Rodrigues Fernandes, fez questão de desafiar para a reflexão sobre “o caminho a trilhar para que o concelho de Vila Verde esteja, sempre, na linha da frente ao nível do progresso e da qualidade de vida das populações”. 

Apesar das adversidades e da nova crise global com impacto que se agrava todos os dias sobre famílias, empresas e instituições, Júlia Fernandes assumiu a determinação na construção de “um concelho onde as pessoas vivam cada vez melhor e mais felizes”. 

 
 

Para essa missão, “a história, as raízes e a identidade do concelho” são mais-valias decisivas, como salientou também o presidente da Assembleia Municipal, Carlos Arantes – que por motivos profissionais de última hora se viu impossibilitado de estar presente na sessão comemorativa, tendo enviado uma intervenção escrita que foi lida pela secretária da Mesa, Martinha Soares. 

Na presença de autarcas, deputados municipais, líderes associativos e populares, a sessão comemorativa dos 167 anos da fundação do concelho contou ainda com momentos dinamizados pela Academia de Música de Vila Verde, através do Coro Sénior do Projeto Cultural para Todos e do Coro Juvenil da Classe da Prof. Lioba Vergely. 

 

Da inflação ao agravamento de taxas do Estado 

Num contexto social marcado pela “inflação a bater recordes”, a presidente da Câmara de Vila Verde assumiu o desafio acrescido no trabalho de proximidade do Município “para responder, de forma célere e eficiente, às necessidades e expectativas das populações”. 

 

Júlia Fernandes vincou o compromisso numa “intervenção social extremamente forte”, nomeadamente ao nível da educação, no apoio à habitação e a cuidados de saúde, na assistência a idosos e pessoas mais vulneráveis, na cooperação com as IPSS, as escolas e as juntas de freguesia, no apoio à natalidade e à infância. 

A autarca destacou ainda “a intervenção social” ao nível das tarifas do serviço de abastecimento de água, recolha de lixo e ligações de saneamento – áreas onde os municípios estão a ser confrontados com aumentos de taxas aplicadas pelo Estado. 

“O Município de Vila Verde cobra aos munícipes valores inferiores aos custos dos serviços básicos de abastecimento de água, recolha de lixo e saneamento, com a agravante de estarmos a enfrentar o aumento de taxas aplicadas pelos organismos da Administração Central, tutelados pelo Governo”, denunciou Júlia Fernandes. 

Aos desafios do Município, acrescenta-se o amplo leque de competências transferido pela Administração Central para as autarquias, “com manifesta insuficiência dos correspondentes envelopes financeiros”. 

 

Apesar disso, Júlia Fernandes assegurou que o Município não abdicará de projetos e investimentos estruturantes para o desenvolvimento e para a melhoria contínua da qualidade de vida no concelho.  

“Estamos a investir na melhoria da rede viária e na mobilidade sustentável, para que o dinamismo da economia e a competitividade do território saiam ainda mais reforçados, abrindo boas perspetivas aos nossos jovens para aqui se fixarem e poderem prosperar”, avançou a autarca. 

Na lista de “projetos inadiáveis” mantêm-se a construção da variante de ligação do Parque Industrial de Oleiros à Vila de Prado, a criação do eixo rodoviário norte-sul (entre Soutelo e o Parque Industrial de Gême) e “todos os esforços” para a construção da Variante à EN101. 

A presidente da Câmara quer ainda resolver o problema de bloqueio do tráfego rodoviário no final da Variante do Cávado, na Vila de Prado, lembrando também a necessidade de a requalificação da EN201 representar “ganhos efetivos para a segurança das pessoas e para melhorar o tráfego automóvel”. 

Intervenção social 

“Com as pessoas no centro das atenções”, Júlia Fernandes referiu-se ao trabalho desenvolvido no primeiro ano do mandato, destacando medidas importantes, como o lançamento do apoio à natalidade “Vale + Nascer Vilaverdense” e o programa “VAI – Vamos Apostar na Infância”. 

“Foi em reconhecimento desse trabalho a favor das pessoas e dos mais novos que a UNICEF declarou Vila Verde – Cidade Amiga das Crianças”, anotou a presidente da Câmara. 

O novo regime de apoios para a habitação dirigido a famílias mais vulneráveis e jovens até aos 40 anos a idade, os investimentos na valorização de áreas fluviais e potencialidades do território para a atividade turística e a dinamização económica do concelho foram outras das apostas elencadas pela autarca, que reservou um lugar especial para a educação. 

“Este é também um ano que fica para a história do concelho porque finalmente temos ensino superior no nosso território, com a abertura do polo do IPCA em Soutelo”, lembrou, dando ainda conta dos apoios que abrangem alunos do pré-escolar até ao ensino superior. 

“Somos e vamos continuar a ser um concelho solidário e inclusivo. Sempre assumi que sou uma acérrima defensora do trabalho em rede. A cooperação e a união de esforços potenciam as mais-valias e os recursos de que dispomos”, comprometeu-se Júlia Fernandes. 

“Confiança” do presidente da Assembleia Municipal 

No discurso comemorativo do aniversário do concelho, o presidente da Assembleia Municipal de Vila Verde partilhou “o sentimento comum de orgulho e honra ser Vilaverdense” e “pertencer a uma linhagem de pessoas que fizeram de Vila Verde, ao longo dos seus anos de existência, um lugar cuja identidade tem vindo a vincar-se ao longo dos anos”.  

“Não podíamos deixar de relembrar todos aqueles que, de uma forma ou de outra, com o seu esforço, dedicação, empenho, sacrifício, moldaram este concelho”, declarou Carlos Arantes, na sua intervenção escrita. Felicitou também “aqueles que, nos dias de hoje, também com dedicação e espírito de identidade, fomentam a construção e as raízes do concelho”.  

“Aquilo que somos hoje não se fez senão à custa de muitas vontades, de muitas entregas, de muito querer e de muito risco, de muito esforço, de muita capacidade empreendedora”, escreveu Carlos Arantes, saudando todos os elementos da Assembleia Municipal de Vila Verde, presidentes de Junta e vereadores do executivo camarário, assim como os funcionários do Município. Referiu-se “com particular destaque à presidente da Câmara, a qual tem demonstrado sempre uma inquestionável clareza, abertura e sensatez no esclarecimento dos assuntos tidos por necessários”.  

“A todos os Vilaverdenses”, o presidente da Assembleia Municipal dirigiu “uma palavra de confiança”, atestando que, “independentemente de ideologias políticas e eventuais divergências de opinião, é ao concelho que todos nos dedicamos”. 

Comentários

comentários

Você pode gostar...