Projecto de Educação ‘ouRoute’ envolve cerca de 100 alunos Bracarenses

O Município de Braga, em parceria com a Casa do Professor e o INOVA + International, iniciou em 2019 o ‘ouRoute’, um projecto educativo e cultural que decorre até Junho deste ano, cuja essência é o ensino para a valorização do património aliado à cidadania e educação cívica.

 
braga

Com o projecto “Património Cultural e Dos cidadãos – criação de uma nova geração de embaixadores culturais através do ensino e da formação: ouRoute” – pretendeu-se promover valores comuns, o património cultural e a inclusão social através da educação. Nesta linha estratégica, o projecto ‘ouRoute’ respondeu à necessidade urgente de partilhar e apreciar o património cultural da Europa, sensibilizar sobre a história e os valores comuns e reforçar um sentimento de pertença a um espaço europeu comum.

 
 

O projecto teve como principal objectivo capacitar os estudantes a agir como cidadãos e ‘embaixadores culturais’, ou ‘ouRouters’ nas suas cidades, envolvendo-os em jornadas de (re)descoberta e expedições ‘etnovideográficas’ para investigarem o património cultural imaterial e todos os seus componentes. Para tal, o projecto assentou numa abordagem construtiva que envolveu progressivamente stakeholders de escolas, parcerias científicas, comunidades locais (incluindo artistas, artesãos e associações locais no sector criativo, etc.) e autoridades públicas dos municípios de Braga, Ceuta (Espanha) e Palermo (Itália).

Os alunos e professores Bracarenses envolvidos no projecto pertencem ao Agrupamento de Escolas André Soares que participaram na realização deste encontro para a apresentação da ‘Estratégia para o Património Cultural dos Cidadãos’. No ‘ouRoute’ participam cerca de 100 alunos e oito professores.

 
 

No decorrer da sessão de apresentação da estratégia, a vereadora da Educação da Câmara Municipal de Braga salientou que educar para a identidade, cultura e património é um dos eixos prioritários dos projectos educativos das escolas, mas também do município. “Braga é uma Cidade onde se vive de forma intensa o património, a memória e as tradições. Como tal, acolher o ‘ouRoute’ foi uma mais valia pedagógica para os parceiros, mas, particularmente, para os alunos e professores que puderam trabalhar com criatividade os vários desafios que lhes foram apresentados”, referiu Carla Sepúlveda.

Desenvolver durante a pandemia um projecto que se pretendia in loco obrigou a um esforço hercúleo por parte de professores e alunos. “Este era um projecto com acções de terreno e que, dadas as circunstâncias, teve de ser adaptado. Os intercâmbios entre alunos portugueses e estrangeiros são também uma forma de cimentar o sentido de pertença não só ao nosso território, mas à Europa e ao mundo porque somos cada vez mais cidadãos de ‘porta aberta’ ao conhecimento que vem da diversidade. A comunidade educativa do AE André Soares soube ‘dar’ Braga aos parceiros espanhóis e italianos, mas também têm recebido muito de Itália e Espanha”, enalteceu a vereadora, destacando que “esta troca de experiências, saber e conhecimento verte-se também num verdadeiro exercício de cidadania”.

 

No encontro estiveram presentes os directores dos agrupamentos de escolas do Concelho, professores, alunos, pais e equipas técnicas do projecto.

Nesta sessão, a comunidade educativa envolvida pôde assistir à palestra ‘Educação cívica através da arte e património’, proferida pela professora doutora Alexandra Esteves, directora do curso do Mestrado em Património Cultural da Universidade do Minho. Na referida palestra versou-se sobre a importância da arte e do património na formação cívica, na promoção do respeito pela multiculturalidade das sociedades actuais, bem como no desenvolvimento de atitudes de respeito pelo património histórico e cultural, sua preservação e valorização.

 

Comentários

comentários

Você pode gostar...