Cuidados de cirurgia vascular de proximidade afetos apenas a metade do país

Atualmente, existe uma disparidade regional em Portugal no que diz respeito à distribuição de unidades de serviços de cirurgia vascular.

 

De acordo com o presidente da Sociedade Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular (SPACV), Luís Mendes Pedro, “quase metade do país não tem cuidados de cirurgia vascular de proximidade”, isto a propósito de a sul do Tejo só existir um Serviço em Almada e uma Unidade de Angiologia e Cirurgia Vascular (com 2 especialistas) no Hospital do Espírito Santo de Évora.

 
 

Portanto, há uma grande necessidade de sensibilizar os pacientes e outros especialistas para as principais doenças vasculares, de modo a evitar diagnósticos tardios e consequentes complicações.

De modo a perceber o que é a cirurgia vascular, o papel que o cirurgião vascular tem e qual a realidade desta especialidade em Portugal, continue a ler o artigo.

 
 

O que é a cirurgia vascular?

A angiologia e cirurgia vascular é uma especialidade médico-cirúrgica maioritariamente associada às varizes nos membros inferiores. No entanto, este é um ramo da medicina bem mais abrangente.

Graças aos avanços da ciência e da tecnologia, atualmente existem diferentes métodos complementares de diagnóstico e tratamentos médicos e cirúrgicos eficazes para as mais variadas patologias.

 

Que patologias se podem tratar com a cirurgia vascular?

Além das varizes, é possível recorrer à cirurgia vascular para tratar doenças como:

  • Pé diabético, uma das principais causas de amputação em Portugal;
  • Doença arterial periférica;
  • Trombose venosa profunda;
  • Aneurismas arteriais como, por exemplo, o aneurisma da aorta;
  • Doenças da carótida;
  • Hemangiomas e malformações vasculares;

Qual é o papel do cirurgião vascular?

Muito mais do que realizar uma cirurgia vascular, o cirurgião vascular tem um papel fundamental no diagnóstico, no  esclarecimento da doença vascular diagnosticada, e no aconselhamento do melhor tratamento disponível para cada caso. Este profissional é ainda responsável pelo período pós-operatório, por vezes, mantendo um seguimento em consulta por tempo indeterminado.

 

Contudo, o cirurgião vascular também segue doentes que não necessitam de intervenção cirúrgica, sendo responsável pela prevenção e tratamento de muitos casos de forma conservadora.

Quando é que se deve procurar um cirurgião vascular?

Se apresentar sintomas venosos como, por exemplo, sensação de pernas pesadas e cansadas, deverá ser avaliado por um cirurgião vascular, de forma a confirmar se tem doença venosa crónica. Em situações mais avançadas, observam-se alterações na pele (pigmentação cutânea e lipordermatosclerose) ou até mesmo úlceras venosas crónicas.

Os fatores de risco cardiovasculares, em particular o tabagismo e a diabetes, têm um impacto muito relevante na doença arterial periférica. Os principais sintomas a ter em consideração são a claudicação intermitente (dor nas pernas despoletada pela marcha e aliviada com o repouso) ou, em situações mais graves, dor em repouso no pé ou úlceras arteriais crónicas.

Como já devem ter percebido, as úlceras crónicas podem ser de etiologia venosa ou arterial, sendo estas últimas particularmente mais graves, que colocam o membro em risco de amputação. A distinção entre ambas as etiologias – arterial versus venoso – nem sempre é fácil, e o cirurgião vascular é o melhor profissional a desempenhar esse papel.

 

Existem outros profissionais que podem encaminhar para a especialidade de cirurgia vascular?

Em muitos casos, os cardiologistas acabam por encaminhar pacientes para esta especialidade, sobretudo aqueles com doença coronária (angina ou enfarte agudo do miocárdio), por terem maior risco de apresentar doença arterial periférica.

O neurologista é outra especialidade particularmente referenciadora, principalmente quando um paciente sofre um acidente vascular cerebral (AVC). Alguns destes doentes beneficiam de uma cirurgia nas artérias carótidas.

Mas a maioria das referenciações cabe ao médico de Medicina Geral e Familiar, aquele com maior proximidade com a comunidade e que perante sintomas e sinais sugestivos de doença vascular irá encaminhar os seus doentes para a especialidade de angiologia e cirurgia vascular.

Quais são as doenças vasculares com maior incidência em Portugal?

As patologias vasculares mais prevalentes são a doença venosa crónica e a doença arterial periférica.

Tal como na maioria das doenças, quanto mais cedo estas patologias forem detetadas, mais eficaz será o seu tratamento e a prevenção de complicações relacionadas.

Comentários

comentários

Você pode gostar...