Escola de Famílias debateu “Autoridade e liberdade: como equilibrar?”

No passado sábado, dia 27 de novembro,decorreu no Cine-Teatro dos Bombeiros Voluntários de Celorico de Basto, a segunda sessão da Escola de Famílias, promovida pelo Departamento Arquidiocesano da Pastoral Familiar, com o tema “Autoridade e liberdade: como equilibrar?”.

 
Escola


Este serão descontraído e carregado de bom humor, foi moderado pelo P. Paulo Duarte sj e teve como convidados a Sónia Morais Santos, ex-jornalista e autora do blogue Cocó na Fralda e o seu marido Ricardo Branco.
 
A Sónia e o Ricardo são pais de 4 filhos (20, 16, 12 e 6 anos) e partilharam a importância de respeitar a individualidade e identidade de todos, assumindo que cada um tem uma forma diferente de lidar com a autoridade e liberdade. Para tal, reforçaram a importância de usar estratégias diferentes com cada um deles.

 
 


No meio da azáfama dos trabalhos e da educação dos filhos, frisaram ainda que é fundamental não esquecer os tempos em casal e olhá-los como oportunidade para fortalecer a relação. Esses tempos de descanso a dois são importantes para regressarem mais descansados e disponíveis para os filhos.
 
Olham cada dia que passa como uma oportunidade para melhorar a sua relação com os filhos, assumindo que nas suas imperfeições, tentam encontrar sempre umlugar para co rrigir as falhas.
Contaram algumas peripécias dos filhos e associam ao tema “liberdade” a “responsabilidade”. Referem que é fundamental permitir que os filhos “vão”, experimentem e, sempre que algo corre menos bem, acolhem mas responsabilizam cada um pelos seus actos.


Falaram ainda da importância de todos participarem na vida de cada um, contando com a ajuda dos filhos mais velhos até no cuidado aos irmãos mais novos. 

 
 


Alertam ainda para a diferença geracional na educação das crianças. Se por um lado, há uns anos se educava com base na violência e autoridade extrema, atualmente presenciam modelos parentais muito permissivos onde as crianças são verdadeiros “reizinhos”, tem tudo o que desejam, são demasiado protegidas e incapazes de ouvir “não”.
 
Não se consideram um casal crente, mas os avós maternos têm o hábito de rezarem com os netos sempre que estes ficam em sua casa. A filha Madalena desenvolveu assim uma relação com Deus muito próxima, tendo levado os pais a comprar bibliografia religiosa para poderem responder às suas questões. A seu pedido foi batizada, e todos respeitaram esta crença e a vontade de conhecer melhor a fé cristã. 
 
Para terminar reforçaram a importância da liberdade na comunicação, ajudando cada um dos filhos a crescer e a preparar-se para viver em sociedade.


A fechar a sessão, o moderador, P. Paulo Duarte, incentivou a conversar, a partilhar e a rezar sobre estes temas, também a nível Arciprestal, para todos crescermos em conjunto. É isso que se pretende com esta «Escola de Famílias em saída», indo de encontro ao incentivo do Papa Francisco de, a partir da relação com Deus, formar comunidade, para que a sociedade se torne, cada vez mais, uma grande Família.

 


Este serão contou ainda com a presença do Grupo Coral da Paróquia de Ourilhe, que presenteou os convidados com dois belos momentos musicais.

Comentários

comentários

 

Você pode gostar...