Faturação estrangeira com recuperação de 300% em Lisboa e Porto

O cenário de ruas desertas e aviões em terra já parecem fazer parte de um passado distante. Os turistas estão de volta, como bem prova os enormes constrangimentos nos aeroportos portugueses, e a rua enche-se de novo com o burburinho de vida que não precisa de tradução independentemente da língua em que se expressa.

 

Se a parte empírica da observação nos permite observar este regresso dos turistas, a parte científica comprova-o que se consubstancia no último relatório REDUNIQ Insights, solução de conhecimento da UNICRE que analisa as transações registadas pela rede de aceitação de pagamentos da REDUNIQ, relativo ao primeiro semestre de 2022.

 
 

De acordo com este documento, verificou-se uma melhoria na faturação proveniente de cartões estrangeiros, que em junho já estava 40% acima dos valores alcançado em 2019 – que terá sido um dos melhores anos para o turismo em Portugal, em que foram recebidos cerca de 27 milhões de turistas – e que, paralelamente, e desde abril, representa já mais de 20% da faturação total dos negócios (valores próximos dos observados no pré-pandemia).

Tiago Oom, Diretor Comercial da UNICRE, justifica estes números “com o regresso dos turistas e retoma das atividades associadas ao turismo, existe uma grande expectativa em relação aos resultados dos setores ligados ao turismo – hotelaria, restauração, etc. – e do seu impacto positivo na economia nacional. Depois do INE anunciar que as receitas do turismo ultrapassaram os valores de 2019, os dados da REDUNIQ vêm agora comprovar essa tendência, que acreditamos poder trazer resultados bastante interessantes aquando de uma análise mais fina da faturação obtida durante o Verão.”

 
 

E acrescenta: “Após um fortíssimo e inevitável impacto económico, bem como, consequentemente, uma crise de consumo sentida a nível mundial, por causa da COVID-19, começamos a recuperar e até a ultrapassar os valores alcançados em 2019. O turismo, que foi um dos principais setores impactados, voltou a impulsionar a nossa economia com o regresso de turistas de países como os Estados Unidos (peso de 11% em 2022 vs. 8% em 2019) e da Irlanda (9%) – que entra no top 5 das nacionalidades, retirando a Espanha da lista de países com maior peso no consumo em Portugal. Apesar de uma perda de 6%, um natural efeito do BREXIT, o Reino Unido continua a ser a origem mais relevante dos turistas que visitam Portugal (16% do total).”

Lisboa e Porto com recuperação de 300% na faturação estrangeira

Os principais beneficiados desta retoma da faturação estrangeira são, como se pode imaginar, as grandes cidades turísticas de Lisboa e Porto, bem como Faro (Algarve), Évora e Madeira.

 

Enquanto o crescimento da faturação estrangeira na capital do país se situa nos 303% ao longo dos primeiros seis meses deste ano, a Invicta atingiu os 279%. Madeira com 281%, Évora com 209% e Faro com 203% fecham o grupo de distritos/regiões que cresceram acima dos 200%. Aliás, convém sublinhar que nenhum distrito português cresceu abaixo de 95% e que o total global se cifrou em 228%.

Para estes números verificados nos negócios que estão inseridos no sistema REDUNIQ, para muito contribuiu não só os pagamentos contactless, como também as soluções REDUNIQ que permitem que os retalhistas facilitem a vida dos consumidores nacionais e estrangeiros na altura do pagamento.

 

Começando pelos pagamentos TPA com recurso a meios contactless, o relatório REDUNIQ Insight diz-nos o contactless, como forma de pagamento, está cada vez mais democratizado entre os consumidores sendo que, nos últimos seis meses, cerca de 3 em cada 4 compras com cartão (74%) foram efetuadas utilizando esta tecnologia. Aliás, só para que se tenha uma noção deste processo de democratização em curso, o peso do contactless na faturação dos negócios portugueses situa-se agora nos 55%, mais 9% do que em 2021 e mais 30% do que em 2020, enquanto as transações por este meio de pagamento atingem já os 74% do total.

Acomodar este crescimento dos pagamentos através de meios de pagamento contactless só seria possível com o auxílio de terminais de pagamento inovadores e adaptados aos novos hábitos de consumo, como é o caso do TPA Android REDUNIQ Smart que, além de permitir que um supermercado, loja ou restaurante [IC1] aceite pagamentos contactless com cartão, chip, MB WAY, Google Pay e Apple Pay, traz incorporadas um conjunto de apps de gestão que auxiliam os negócios e lhes permitem ser totalmente móveis e digitais.

Para além deste TPA inovador, a REDUNIQ propõe-se ajudar o setor do Turismo a dar as boas-vindas aos turistas estrangeiros com um serviço de pagamentos que fala a mesma língua do que eles: o DCC – Conversão de Moeda.

Disponível através de um dos terminais de pagamento automático (TPA) ou das soluções de pagamento online da REDUNIQ, o serviço DCC- Conversão de Moeda, de uma forma simples e rápida, permite aos clientes escolher pagar por cartão (Visa e Mastercard) na sua moeda de origem, de forma transparente, informada e segura.

 

O processo é extremamente simples. Através do terminal de pagamentos ou das páginas de pagamento online, a funcionalidade DCC – Conversão de Moeda reconhece a moeda de origem do Cartão Visa ou Mastercard do cliente e, caso o pagamento seja elegível para DCC, o valor é apresentado na moeda de origem e em euros, bem como a taxa de câmbio. No final, cabe ao cliente decidir em que moeda prefere pagar.

Para além da comodidade que este serviço traz aos negócios e aos seus clientes, a REDUNIQ ainda partilha com o negócio os custos de “Markup”, valor pago pelo titular do cartão quando este realiza a conversão de moeda numa transação DCC e que vem substituir o valor que seria cobrado pela entidade emissora do cartão numa transação não DCC.

Comentários

comentários

Você pode gostar...