Quantcast
 

Qual o impacto que os jogos online têm na economia Portuguesa?

O setor dos jogos online (casinos online e casas de apostas online) vai de vento em popa. De acordo com o último relatório do Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos (SRIJ), entidade que supervisiona e regula a atividade de jogo online em Portugal, relativo ao primeiro trimestre de 2022, a atividade de jogos e apostas online gerou cerca de 158,6 milhões de euros de receita bruta, traduzindo-se num crescimento de 23,6% comparativamente ao mesmo período de 2021 e de 12,4% face ao registado no 4º trimestre de 2021.

 

Destes milhões, o valor total do Imposto Especial de Jogo Online (IEJO) no 1º trimestre deste ano foi de 49,8 milhões de euros, o que se traduz num crescimento de cerca de 1,2 milhões de euros ao apurado para o mesmo período de 2021, fazendo notar a importância económica que o setor tem para a economia nacional.

 
 

Estado arrecadou mais de 560 milhões com jogo online em sete anos de jogo online legal

Em abril de 2015, com o decreto-lei 66/2015, a atividade das apostas online em Portugal foi suspensa e as casas de apostas em Portugal tiveram de interromper a sua atividade até à entrada em vigor da nova legislação do jogo online, algo que acabou por acontecer em maio de 2016, altura em que é emitida a primeira licença para exploração de apostas online em Portugal.

Sete anos depois da sua legalização, de acordo com o SRIJ, a receita bruta conseguida com o jogo online já supera a dos casinos, salas de máquinas e de bingo, tendo atingido os 1,54 mil milhões de euros, que renderam ao Estado 567,1 milhões (36,7%), de imposto especial sobre o jogo e taxas de licenças e homologação de sistemas.

 
 

Os melhores anos até agora foram os de 2020 e 2021, marcados pela pandemia da covid-19, que ditaram uma mudança de hábitos dos jogadores, atendendo às restrições impostas à circulação, mas não só.

O desenvolvimento da infraestrutura digital e o aumento não só de eventos desportivos passíveis de apostas, como também do número de dispositivos móveis, a partir dos quais ocorre a maioria das apostas desportivas, são fatores que estão na origem desta forte procura por jogos online.

 

Além dos fatores supracitados, é importante não esquecer o papel que portais especializados no acompanhamento das competições desportivas e na análise das apostas online tiveram, e têm, na atração de apostadores para o mercado das apostas desportivas.

Para além de trabalharem para entregarem toda a informação de que o apostador necessita sobre a forma como este tipo de apostas funcionam, sites como o Apostas Online (apostasonline.pt) oferecem ainda bónus sem depósito para a experimentação nas casas de apostas desportivas online legais em Portugal como a Betano, Solverde.pt ou Bwin, por exemplo, o que acaba por informar e cativar a atenção de novos jogadores para o mercado de apostas desportivas.

 

Número de apostadores online dispara

Como referimos, todos estes fatores acabaram por resultar num aumento significativo do número de jogadores online.

Segundo o relatório relativo ao 1º trimestre deste ano, o número de jogadores habituais com prática de jogo chegou aos 759,8 mil, traduzindo-se num aumento de 4,4% dos jogadores com prática de jogo relativamente ao trimestre anterior.

Do número total de jogadores que realizaram apostas no período em análise, 35,9% efetuaram as suas apostas exclusivamente em apostas desportivas à cota, 31,6% jogaram somente em jogos de fortuna ou azar e 32,5% dos jogadores tiveram prática de jogo em apostas desportivas à cota e em jogos de fortuna ou azar.

A proporção dos jogadores que jogaram unicamente em jogos de fortuna ou azar foi superior em 2,9 p.p. relativamente ao trimestre anterior. A proporção de jogadores que apostaram exclusivamente em apostas desportivas à cota ou que tiveram prática simultânea em apostas desportivas à cota e em jogos de fortuna ou azar reduziu, comparativamente ao 4º trimestre de 2021, em 2,4 p.p. e 0,5 p.p. respetivamente.

 

Se há quem entre, também há quem saía. Em 31 de março de 2022, e no total das entidades exploradoras, encontravam-se autoexcluídos da prática de jogos e apostas online 118,9 mil jogadores registados (mais 9,5 mil que em 31 de dezembro de 2021).

Esta variação trimestral é explicada pela autoexclusão da prática de jogos e apostas online de 23,0 mil jogadores e pelo término da autoexclusão 6 de 13,5 mil jogadores.

Comentários

comentários

Você pode gostar...